fbpx
Logotip Fundació Pere Casaldàliga
Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

27 de janeiro de 2020

As causas de Pedro Casaldáliga

Ser militante da esperança é uma opção de risco no Brasil de Bolsonaro. No entanto, muitos acreditam que esse é o único caminho possível diante da extrema direita.

O projeto para divulgar as ‘Causas de Casaldáliga’ é o fruto de uma parceria entre as duas associações que compartilham a missão do Claretiano Pedro Casaldáliga.

Através do pensamento e da ação desse catalão universal, a Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga, desde a Catalunha, e a ANSA, desde o Brasil, contrabalançam o discurso do ódio e do medo.

Neste contexto, “a única maneira de nos opor a esse discursso e conseguir expressar as nossas opiniões com tranquilidade era dar ao projeto uma dimensão internacional”, diz Raul Vico, coordenador desta iniciativa de divulgação. Isso porque as novas lideranças políticas no Brasil estão espalhando um clima “contra os direitos dos camponeses e dos indígenas”. Vico também identifica riscos de segurança entre os defensores dos direitos humanos: “Pela primeira vez em muitos anos, as pessoas que trabalham na ANSA tiveram que considerar a sua segurança pessoal”, diz ele.

 

“Estarmos juntos, um assunto de segurança”

 

Uma realidade que a entidade não vive desde a sua criação. “Nas décadas de 1970 e 1980, a repressão foi muito mais dura e violenta, mas, hoje, a situação é novamente perigosa”. Segundo Vico, “no Brasil e, muito mais na região em que estamos, não é aconselhável expressar abertamente algumas idéias. Divulgando algumas opiniões colocaríamos em risco o pessoal da ANSA”. Essas afirmações são feitas pensando nos grandes proprietários de terras da Amazônia que “estavam ansiosos para ganhar uma eleição e ir contra a Prelazia e o bispo Pedro”. Com o presidente Jair Bolsonaro no poder, eles se sentem apoiados.

É por isso que ele acredita que “trabalharmos juntos é também uma questão de segurança”. A Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga (Barcelona, 1989) e a Associação ANSA (São Félix do Araguaia, 1974) se juntaram para realizar este projeto de comunicação inspirado na alegria, na “teimosia” e na esperança de Casaldáliga. Como dizem desde a parte da Catalunha, procuramos “aprofundar caminhos de esperança”.

“A ANSA e Associação Araguaia sentiram a necessidade de se unir para uma colaboração muito mais estreita, de juntar forças para dar mais voz à vida, ao trabalho e principalmente às causas de Casaldáliga”, diz ele. Sabem que são organizações “pequenas” diante do enorme desafio, mas não desistem na luta para melhorar as condições de vida das pessoas e grupos que mais sofrem.

Informação desde o Araguaia

 

Raul Vico está em contato com a pessoa responsável pela comunicação da ANSA, que fornece informações em tempo real desde a Amazônia. Todos os materiais publicados no site são em Catalão, Espanhol e Português, “as três línguas que Casaldáliga sempre usa”.

Enviam também um boletim eletrônico mensal, que chega no email de 730 pessoas, e nas redes sociais estão no Facebook e no Twitter.

O blog, que atualizam a cada 15 dias está focado nas causas de Casaldáliga. Por exemplo, com experiências específicas de agricultura familiar agroecológica, uma fórmula para gerar renda com preservação e recuperação ambiental nas comunidades rurais. Mas, no blog também encontramos o pensamento de Casaldáliga, da Teologia da Libertação ou da história da Amazônia através de textos e poemas que refletem os compromissos que Pedro Casaldáliga assumiu ao longo de sua vida em favor dos mais pobres.

No Araguaia, a ANSA trabalha na área da educação popular, economia solidária, meio ambiente e apoio ao fortalecimento de redes sociais e ambientais. Atualmente, beneficiam cerca de quatrocentas famílias, tanto em São Félix quanto nas quatro comunidades rurais vizinhas, e também apóiam as comunidades indígenas próximas. A organização também é responsável pelo Arquivo da Prelazia de São Félix do Araguaia, dedicado à preservação do trabalho de Casaldáliga, que também é apoiado pelos claretianos.

Em Barcelona, ​​o novo projeto de divulgação também é possível graças à colaboração da organização catalã Justiça e Paz, que lhes cede um espaço para o arquivo e para reuniões de equipe, que acontecem toda segunda e quarta quinta-feira do mês no número 126 da rua Roger de Llúria, em Barcelona.

Autora: Laura Mor. Publicado primeiro em catalão em Religião Digital.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas causas

TALVEZ VAI ACHAR INTERESSANTE

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

Read more
Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os comentários –cautelosos ou apocalípticos ou clarividentes- acerca da conjuntura, proliferam, nestes dias, nos meios de comunicação. Não vou repetir “o óbvio ululante”. O problema está em saber ler a conjuntura à luz dos sinais dos tempos, descobrindo causas, interesses, “efeitos colaterais”, jogos de vida ou morte para a família humana.

21 de janeiro de 2020

A obra de Pedro Casaldáliga

Nesta hora kairós de mundialização e de maturidade de consciência, que é simultaneamente uma hora nefasta de novas prepotências, de macroditaduras, de fundamentalismos e de radicalizações, se impõe para nós, como um dom e como uma conquista, o diálogo, interpessoal, intercultural, ecuménico e macroecuménico.

Um diálogo de pensamentos, de palavras e de corações.

Não a simples tolerância, que se parece demais com a guerra fria, mas a convivência cálida, a acolhida, a complementariedade.

Esses processos de mudança, que são sonho e missão, reclamam de todos nós, cristãos ou não, uma forte espiritualidade, uma mística de vida.

Cada qual a viverá segundo a respectiva fé, porém sem essa espiritualidade não se faz caminho.

Pensando nisso, e a raíz do retiro espiritual que celebramos todos os anos a equipe pastoral da Prelazia à beira do Araguaia, naquele morro acolhedor de Santa Terezinha, eu resumia assim essa espiritualidade, tão nova e tão antiga, como sendo espiritualidade de:

1. Contemplação confiada

Abrindo-se mais gratuitamente ao Deus Abbá, que é, por autodefinição suprema, misericórdia, amor.

Uma contemplação mais necessária do que nunca nestes tempos de eficiências imediatas e de visibilidades.

Confiada, digo, porque tenho a impressão de que volta – o quiçá nunca foi embora- a religião do medo, do castigo, da prosperidade ou do fracasso, segundo como a gente se haver com Deus. Falta-nos, pois, confiança filial, infância evangêlica, a descontraida liberdade dos pequenos do Reino.

2. Coerência testemunhante

Tem-se repetido até a saciedade que vivemos na civilização da imagem, que o mundo quer “ver”.

O testemunho foi sempre uma espécie de definição do ser cristão. “Vocês serão minhas testemunhas”, dizia Ele por toda recomendação, por todo testamento.

E esse testemunho, hoje mais do que nunca, quando tudo se vê e tudo se sabe, tem de ser coerente, sem fisuras, na vida pessoal e na gestão estrutural da Igreja (que poderá ser a Igreja Católica ou uma Igreja Evangélica, o Vaticano, uma diocese, uma congregação religiosa, uma comunidade).

Veracidade e transparência pede o mundo, tão submetido à mentira e à corrupção.

3. Convivência fraterno-sororal

A isso se reduz o mandamento novo. Este é o desafio maior e o mais cotidiano para as pessoas, para as comunidades, para os povos.

Conviver, não coexistir apenas; conviver carinhosamente em fraternura e sororidade; não apenas em tolerância mútua. Ajudar a tornar a vida agradável.

Ser “sal da terra” deve significar isso também.

4. Acolhida gratuita e serviçal

Capacidade de encontro e de diaconia. Não somente descer do burro e atender o caído quando por casualidade a gente o encontrar à beira do caminho, mas se fazer encontradiço.

Acolher ás vezes somente com uma palavra ou com um sorriso, porém acolher sempre, gratuitamente. Fazer de todos os ministérios e de todas as profissões aquele serviço desinteressado e generoso que nos propunha aquele Senhor que não veio a ser servido mas a servir.

É mais facil celebrar uma eucaristia ritual que exercer um lava-pés engajado.

5. Compromisso profético

Continua a ser a hora, e talvez mais do que nunca, de se comprometer proféticamente contra o deus neoliberal da morte e da exclusão e em favor do Deus do Reino da Vida e da Libertação.

É preciso sugar da fé toda a sua força política.

Fazer da profecia uma espécie de hábito conatural -fruto específico do batismo para os cristãos e cristãs-, de denúncia, de anúncio, de consolação.

A caridade socio-política é a caridade mais estrutural. Vai às causas, não somente aos efeitos. Cuida a Vida. Transforma a História. Faz Reino.

6. Esperança pascal

Depois da “morte de Deus” e da “morte da Humanidade”, nesta posmodernidade facilmente sem sentido, e já no “final da história”, parece que a esperança não tem muito a fazer. Hoje, mais do que nunca, se impõe a esperança!. Ela é a virtude dos “depois de”.

“Contra toda esperança” (produtivista, consumista, imediatista, pasiva), esperamos.

Devemos proclamar humildemente, porém sem complexos, nossa esperança pascal e escatológica. E devemos torná-la crível aquí e agora. Porque esperamos, agimos. O tempo e a história são o espaço sacramental da esperança.

Pedro Casaldáliga, Carta Cirular de 2002.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais
A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

ler mais

Read more

Pin It on Pinterest