fbpx
Logotip Fundació Pere Casaldàliga
As 4 causas da destruição da Amazônia

As 4 causas da destruição da Amazônia

As 4 causas da destruição da Amazônia

2 de novembro de 2020

As causas de Pedro Casaldáliga

No ano passado foi notícia mundial: A Amazônia está sendo destruída por incêndios sem precedentes.

Fotografias chocantes das queimadas que atingiram matas e florestas apareceram nos noticiários de televisão, nos jornais e sites na Internet.

Muitas ONGs, movimentos e até atores internacionais publicaram documentos exigindo soluções diante desse crime ambiental contra a humanidade.

Queimada em uma das comunidades onde trabalhamos no Araguaia.

A realidade, porém, é que a Amazônia vem sendo queimada há muitos anos.

Há décadas que as famílias que moram aqui denunciam e reclamam que a destruição da floresta prejudica seus plantios, sua saúde e limita a sua capacidade de obter alimentos e até de dispor de água!

No entanto, 2019 e 2020 serão lembrados como anos em que a Amazônia queimou como fazia décadas não o fazia. A destruição deste bioma fundamental atingiu limites insuspeitados.

Por quê? O que aconteceu nesta região do Araguaia? Por que a Amazônia queima tanto? Estes são 4 dos motivos principais!

1. O cenário perfeito

A região da Prelazia de São Félix do Araguaia abrange uma área de aproximadamente 150.000 km2 dentro da Amazônia Legal . Está situada ao nordeste do estado de Mato Grosso, na divisa com o Tocantins e o Pará, a cerca de 1.200 km ao norte da capital brasileira, Brasília.

O primeiro elemento que precisamos considerar para entender os incêndios é, portanto, “as distâncias”: o espaço ocupado pela Prelazia de São Félix do Araguaia é maior que toda a Grécia ou toda a Nicarágua…e equivalente a todo o Ceará! .

A região do Araguaia se encontra na Amazônia Legal, a 1.200 ao norte de Brasília, entre os biomas Cerrado e Amazónico.

Nesta extensa região temos o privilégio de testemunhar uma rica transição de biomas: do Cerrado, o bioma mais biodiverso do mundo, até a Amazônia. Esse fato confere uma riqueza única de formas de vida vegetal e animal, que se estende desde as savanas do Cerrado até a densa floresta amazônica.

A característica geográfica mais marcante, no entanto, é que esta região está localizada entre dois dos grandes rios da América Latina: o Rio Araguaia e o Rio Xingu.

Também tem dentro de seus limites duas grandes e lendárias terras indígenas de proteção ambiental: o Parque Indígena do Xingu, a oeste e a Illa del Bananal, ao leste.

Esta configuração implica também que a região possui poucas estradas de acesso, muitas das quais em condições precárias.

A rodovia principal é a BR-158, que corta a região de norte a sul e ainda tem mais de 200 km sem asfalto. Isso significa que neste Araguaia viajar para qualquer cidade de mais de 50.000 habitantes significa fazer entre 15 e 24 horas de ônibus.

Vista aérea da cidade de São Félix do Araguaia, no Mato Grosso, na divisa com o estado de Tocantins.

Trata-se de uma região pouco povoada, pois em 2010 (último censo oficial) moravam aqui 125.271 pessoas. Nenhum dos 15 municípios que formam a área da Prelazia de São Félix do Araguaia supera os 35 mil habitantes. Neles, 43% da população vive na área rural.

Confresa, atualmente com 30.000 habitantes (estimativa), e Serra Nova Dourada, onde moram 1.365 pessoas, são os municípios mais grande e mais pequeno respectivamente.

Nesse sentido, é preciso entender a Amazônia e, concretamente esta região do Araguaia como uma enorme extensão, do tamanho de alguns países, relativamente pouco habitada, onde as cidades estão separadas por grandes distâncias e as vias de acesso são muito precárias.

2. O material inflamável

No Araguaia, o principal sector económico são os serviços, que representam a metade da economia regional. A outra economia é a produção agrícola.

Os serviços incluem actividades como o comércio, a construção e as relacionadas com a administração pública.

Ja a produção no campo se concentra na cria extensiva de gado e na produção de soja e outros grãos em grande escada.

De fato, uma das particularidades da ocupação do território no Araguaia é a relação entre a população humana e o rebanho bovino: Aqui temos 22 cabeças de gado por cada habitante.

No Brasil há 53 hectares de terras dedicadas à pecuária: equivalentes a toda França.

Há de certo uma há uma causalidade estreita entre a baixa densidade populacional e o peso da pecuária: a pecuária extensiva precisa de grandes territórios para se desenvolver, com mão de obra escassa, para que processos limitados de acumulação de capital sejam gerados em relação ao espaço ocupado.

O resultado são as baixas taxas de densidade populacional em comparação com outras regiões com uma economia mais avançada e diversificada.

Este modelo económico foi construido sobre a base de uma forte política de incentivos fiscais que pretendia a instalação de grandes projetos agrícolas na Amazônia e que começou a ser incentivada sistematicamente na década de 1960…e que se tem fortalecido nas últimas décadas e adotado como política federal desde a chegada de Bolsonaro.

Ao mesmo tempo, as políticas públicas para os agricultores familiares tem priorizado o mesmo modelo produtivo das grandes : nesta região tem animado e incentivado financeiramente o desmatamento e a monocultura.

O modelo económico que os poderos escolheram para a região vem sendo implementado há 60 anos: primeiro, apoiado e financiado pela ditadura militar e executado pelo latifundio; e, nas últimas décadas, pelo financiamento público (de novo), veiculado pelas grandes coorporações sobre a base das escassas e mal executadas políticas realistas para a vida das famílias no campo.

3. O combustível mais eficaz

Ao mesmo tempo em que a pecuária aumentou exponencialmente durante os últimos 15 anos (concretamente em 15 milhões de cabeças de gado), tem havido uma presença crescente da agricultura industrial em grande escada. A soja é o principal cultivo e ocupa quase 80% do total das áreas agrícolas da região.

Para a safra (colheita) de 2020 calcula-se que serão recolhidas 34 milhões de toneladas de soja, plantadas em 9,82 milhões de hectáres, só no Estado do Mato Grosso: uma superficie equivalente ao Pernambuco ou a Santa Catarina inteiros….sem uma árvore, sem um animal…apenas com soja para exportar à China e à Europa.

Vídeo da estrada que percorre a região do Araguaia, a BR158, em seu passo pelo municipio de Ribeirão Cascalheira, com quilômetros e quilômetros de soja.

A relação é muito clara e não admite muita discussão:o modelo agroindustrial é a principal causa da destruição ambiental, social e económica da Amazônia.

4. O Incendiário

No marco desta situação e desta história, temos de acrescentar ainda as declarações, o clima criado e as políticas implementadas pelo governo Bolsonaro na Amazônia: as ações intencionalmente orientadas a promover e apoiar o modelo agroindustrial e a elimininar, portanto, as formas de vida alternativas, respeituosas com as pessoas e o meio ambiente, vem sendo impostas desde 2019 e deixando um rastro de destruição, discriminação, racismo e concentração de renda em toda a região.

O trabalho que se tinha conseguido fazer nos últimos 40 anos, de conscientização, de olhar a diversificação da produção como uma riqueza para a Humanidade, de re-plantar zonas que tinham sido desmatadas, etc, está seriamente ameaçado.

Bolsonaro tem eliminando os mecanismos financeiros que ajudavam à preservação da Amazônia e esvaziado os órgãos públicos que se dedicam à vigilância ambiental, animando o desmatamento e a grilhagem de terras.

Assim, sobre a base de uma história caracterizada pela distribuição desigual de terras, pela desigualdade e a pobreza, pela escassa presença do estado e pela implementação de um modelo produtivo baseado na monocultura da soja e da pecuária extensiva, temos que acrescentar agora as políticas públicas que encorajam os latifundiários, negam a destruição da natureza e criminalizam os Povos Indígenas e a Sociedade Civil organizada. É fácil entender, então, que temos a conjuntura perfeita que explica porque a Amazônia, o Pantanal ou Cerrado estão sendo destruídos como nunca.

Raul Vico. Associação ANSA e Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais
A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

ler mais
As nossas causas de cada dia

As nossas causas de cada dia

Estas são as 4 “causas do dia a dia” que Pedro Casaldáliga nos chamou a assumir pessoalmente em nossas vidas. Se «as nossas causas valem mais do que nossas vidas», precisamos aprofundar nelas e torná-las nossas, todos os dias.

ler mais

Read more
A mensagem do Papa aos movimentos sociais

A mensagem do Papa aos movimentos sociais

A mensagem do Papa aos movimentos sociais

O Papa Fransciso reivindica um novo modelo económico que inclua todas as pessoas e reconhece o papel fundamental dos mais humildes.

20 de abril de 2020

As causas de Pedro Casaldáliga

Aos irmãos e irmãs dos movimentos e organizações populares.

Queridos amigos,

Lembro-me com frequência de nossos encontros: dois no Vaticano e um em Santa Cruz de la Sierra e confesso que essa “memória” me faz bem, me aproxima de vocês, me faz repensar em tantos diálogos durante esses encontros e em tantas esperanças que ali nasceram e cresceram e muitos delas se tornaram realidade. Agora, no meio dessa pandemia, eu me lembro de vocês de uma maneira especial e quero estar perto de vocês.

Nestes dias de tanta angústia e dificuldade, muitos se referiram à pandemia que sofremos com metáforas bélicas. Se a luta contra o COVID-19 é uma guerra, vocês são um verdadeiro exército invisível que luta nas trincheiras mais perigosas. Um exército sem outra arma senão a solidariedade, a esperança e o sentido da comunidade que reverdecem nos dias de hoje em que ninguém se salva sozinho. Vocês são para mim, como lhes disse em nossas reuniões, verdadeiros poetas sociais, que desde as periferias esquecidas criam soluções dignas para os problemas mais prementes dos excluídos.

Eu sei que muitas vezes vocês não são reconhecidos adequadamente porque, para este sistema, são verdadeiramente invisíveis. As soluções do mercado não chegam às periferias e a presença protetora do Estado é escassa. Nem vocês têm os recursos para realizar as funções próprias do Estado. Vocês são vistos com suspeita por superarem a mera filantropia por meio da organização comunitária ou por reivindicarem seus direitos, em vez de ficarem resignados à espera de ver se alguma migalha cai daqueles que detêm o poder econômico. Muitas vezes mastigam raiva e impotência quando veem as desigualdades que persistem mesmo quando terminam todas as desculpas para sustentar privilégios. No entanto, vocês não se encerram na denúncia: arregaçam as mangas e continuam a trabalhar para suas famílias, seus bairros, para o bem comum. Essa atitude de vocês me ajuda, questiona e ensina muito.

Assine o BOLETIM com conteúdos exclusivos

Gostou?

Conheça MAIS sobre Pedro Casaldáliga e seu trabalho na Amazônia.

Feito desde o Araguaia e desde Barcelona!

Penso nas pessoas, especialmente mulheres, que multiplicam o pão nos refeitórios comunitários, cozinhando com duas cebolas e um pacote de arroz um delicioso guisado para centenas de crianças, penso nos doentes, penso nos idosos. Elas nunca aparecem na mídia convencional. Tampouco os camponeses e os agricultores familiares, que continuam a trabalhar para produzir alimentos saudáveis, sem destruir a natureza, sem monopolizá-los ou especular com a necessidade do povo. Quero que saibam que nosso Pai Celestial olha para vocês, vos valoriza, reconhece e fortalece em sua escolha. Quão difícil é ficar em casa para quem mora em uma pequena casa precária ou para quem de fato não tem teto. Quão difícil é para os migrantes, as pessoas privadas de liberdade ou para aqueles que realizam um processo de cura para dependências. Vocês estão lá, colocando seu corpo ao lado deles, para tornar as coisas menos difíceis, menos dolorosas. Congratulo a vocês e agradeço do fundo do meu coração. Espero que os governos entendam que os paradigmas tecnocráticos (sejam centrados no estado, sejam centrados no mercado) não são suficientes para enfrentar esta crise e nem os outros problemas importantes da humanidade. Agora, mais do que nunca, são as pessoas, as comunidades, os povos que devem estar no centro, unidos para curar, cuidar, compartilhar.

Eu sei que vocês foram excluídos dos benefícios da globalização. Não desfrutam daqueles prazeres superficiais que anestesiam tantas consciências. Apesar disso, vocês sempre sofrem os danos dessa globalização. Os males que afligem a todos, a vocês atingem duplamente. Muitos de vocês vivem o dia a dia sem nenhum tipo de garantias legais que os protejam. Os vendedores ambulantes, os recicladores, os feirantes, os pequenos agricultores, os pedreiros, as costureiras, os que realizam diferentes tarefas de cuidado. Vocês, trabalhadores informais, independentes ou da economia popular, não têm um salário estável para resistir a esse momento … e as quarentenas são insuportáveis para vocês. Talvez seja a hora de pensar em um salário universal que reconheça e dignifique as tarefas nobres e insubstituíveis que vocês realizam; capaz de garantir e tornar realidade esse slogan tão humano e cristão: nenhum trabalhador sem direitos.

Também gostaria de convidá-los a pensar no “depois”, porque esta tempestade vai acabar e suas sérias consequências já estão sendo sentidas. Vocês não são uns improvisados, têm a cultura, a metodologia, mas principalmente a sabedoria que é amassada com o fermento de sentir a dor do outro como sua. Quero que pensemos no projeto de desenvolvimento humano integral que ansiamos, focado no protagonismo dos Povos em toda a sua diversidade e no acesso universal aos três T que vocês defendem: terra e comida, teto e trabalho. Espero que esse momento de perigo nos tire do piloto automático, sacuda nossas consciências adormecidas e permita uma conversão humanística e ecológica que termine com a idolatria do dinheiro e coloque a dignidade e a vida no centro. Nossa civilização, tão competitiva e individualista, com suas taxas frenéticas de produção e consumo, seus luxos excessivos e lucros desmedidos para poucos, precisa mudar, se repensar, se regenerar. Vocês são construtores indispensáveis dessa mudança urgente; além disso, vocês possuem uma voz autorizada para testemunhar que isso é possível. Vocês conhecem crises e privações … que com modéstia, dignidade, comprometimento, esforço e solidariedade, conseguem transformar em uma promessa de vida para suas famílias e comunidades.

Mantenham vossa luta e cuidem-se como irmãos. Oro por vocês, oro com vocês e quero pedir ao nosso Deus Pai que os abençoe, encha vocês com o seu amor e os defenda ao longo do caminho, dando-lhes a força que nos mantém vivos e não desaponta: a esperança. Por favor, orem por mim que eu também preciso.

Fraternalmente,

Cidade do Vaticano, 12 de abril de 2020, Domingo de Páscoa.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas causas

MAIS RECENTES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais

Read more
Pedro Casaldáliga: celebramos e agradecemos teus 92 anos

Pedro Casaldáliga: celebramos e agradecemos teus 92 anos

Pedro Casaldáliga: celebramos e agradecemos teus 92 anos

16 de fevereiro de 2020

A Vida de Pedro Casaldáliga

Celebramos a tua vida doada caminhando ao lado da Humanidade mais empobrecida.

Celebramos a tua poesia que canta ternura e denúncia como sacramento a serviço da vida.

Celebramos a tua paixão pela utopia, razão da tua existência.

Celebramos o teu testemunho feito Boa nova em Jesus de Nazaré, acompanhando a libertação de todos os povos oprimidos.

Com alegria, queremos celebrar, também hoje, a tua profunda mística que nos mostra Deus no rosto dos desprezados.

E queremos agradecer por tua vida vivida, espelho de um amor além da entrega; o teu canto de libertação para além de você mesmo.

Obrigado pela trascendência de tua presença nesta terra vermelha, sempre acompanhada de um profundo realismo e compromisso.

Obrigado pela tua esperança, que nos ensina que, além de tudo, é possível acreditar e esperar a nova Humanidade que está por vir.

Das profundezas do seu silêncio martirial, você nos convoca a trabalhar para o Reino, aqui e agora, e mesmo que a tua palavra esteja presa hoje em silêncio sagrado, ela continua a iluminar o nosso caminho.

Obrigado, Pedro, irmão, mestre e amigo.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais
A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

ler mais
As nossas causas de cada dia

As nossas causas de cada dia

Estas são as 4 “causas do dia a dia” que Pedro Casaldáliga nos chamou a assumir pessoalmente em nossas vidas. Se «as nossas causas valem mais do que nossas vidas», precisamos aprofundar nelas e torná-las nossas, todos os dias.

ler mais

Read more
Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

Contra o ódio e o medo, as causas de Casaldáliga

27 de janeiro de 2020

As causas de Pedro Casaldáliga

Ser militante da esperança é uma opção de risco no Brasil de Bolsonaro. No entanto, muitos acreditam que esse é o único caminho possível diante da extrema direita.

O projeto para divulgar as ‘Causas de Casaldáliga’ é o fruto de uma parceria entre as duas associações que compartilham a missão do Claretiano Pedro Casaldáliga.

Através do pensamento e da ação desse catalão universal, a Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga, desde a Catalunha, e a ANSA, desde o Brasil, contrabalançam o discurso do ódio e do medo.

Neste contexto, “a única maneira de nos opor a esse discursso e conseguir expressar as nossas opiniões com tranquilidade era dar ao projeto uma dimensão internacional”, diz Raul Vico, coordenador desta iniciativa de divulgação. Isso porque as novas lideranças políticas no Brasil estão espalhando um clima “contra os direitos dos camponeses e dos indígenas”. Vico também identifica riscos de segurança entre os defensores dos direitos humanos: “Pela primeira vez em muitos anos, as pessoas que trabalham na ANSA tiveram que considerar a sua segurança pessoal”, diz ele.

 

“Estarmos juntos, um assunto de segurança”

 

Uma realidade que a entidade não vive desde a sua criação. “Nas décadas de 1970 e 1980, a repressão foi muito mais dura e violenta, mas, hoje, a situação é novamente perigosa”. Segundo Vico, “no Brasil e, muito mais na região em que estamos, não é aconselhável expressar abertamente algumas idéias. Divulgando algumas opiniões colocaríamos em risco o pessoal da ANSA”. Essas afirmações são feitas pensando nos grandes proprietários de terras da Amazônia que “estavam ansiosos para ganhar uma eleição e ir contra a Prelazia e o bispo Pedro”. Com o presidente Jair Bolsonaro no poder, eles se sentem apoiados.

É por isso que ele acredita que “trabalharmos juntos é também uma questão de segurança”. A Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga (Barcelona, 1989) e a Associação ANSA (São Félix do Araguaia, 1974) se juntaram para realizar este projeto de comunicação inspirado na alegria, na “teimosia” e na esperança de Casaldáliga. Como dizem desde a parte da Catalunha, procuramos “aprofundar caminhos de esperança”.

“A ANSA e Associação Araguaia sentiram a necessidade de se unir para uma colaboração muito mais estreita, de juntar forças para dar mais voz à vida, ao trabalho e principalmente às causas de Casaldáliga”, diz ele. Sabem que são organizações “pequenas” diante do enorme desafio, mas não desistem na luta para melhorar as condições de vida das pessoas e grupos que mais sofrem.

Informação desde o Araguaia

 

Raul Vico está em contato com a pessoa responsável pela comunicação da ANSA, que fornece informações em tempo real desde a Amazônia. Todos os materiais publicados no site são em Catalão, Espanhol e Português, “as três línguas que Casaldáliga sempre usa”.

Enviam também um boletim eletrônico mensal, que chega no email de 730 pessoas, e nas redes sociais estão no Facebook e no Twitter.

O blog, que atualizam a cada 15 dias está focado nas causas de Casaldáliga. Por exemplo, com experiências específicas de agricultura familiar agroecológica, uma fórmula para gerar renda com preservação e recuperação ambiental nas comunidades rurais. Mas, no blog também encontramos o pensamento de Casaldáliga, da Teologia da Libertação ou da história da Amazônia através de textos e poemas que refletem os compromissos que Pedro Casaldáliga assumiu ao longo de sua vida em favor dos mais pobres.

No Araguaia, a ANSA trabalha na área da educação popular, economia solidária, meio ambiente e apoio ao fortalecimento de redes sociais e ambientais. Atualmente, beneficiam cerca de quatrocentas famílias, tanto em São Félix quanto nas quatro comunidades rurais vizinhas, e também apóiam as comunidades indígenas próximas. A organização também é responsável pelo Arquivo da Prelazia de São Félix do Araguaia, dedicado à preservação do trabalho de Casaldáliga, que também é apoiado pelos claretianos.

Em Barcelona, ​​o novo projeto de divulgação também é possível graças à colaboração da organização catalã Justiça e Paz, que lhes cede um espaço para o arquivo e para reuniões de equipe, que acontecem toda segunda e quarta quinta-feira do mês no número 126 da rua Roger de Llúria, em Barcelona.

Autora: Laura Mor. Publicado primeiro em catalão em Religião Digital.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas causas

TALVEZ VAI ACHAR INTERESSANTE

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

Read more
Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os comentários –cautelosos ou apocalípticos ou clarividentes- acerca da conjuntura, proliferam, nestes dias, nos meios de comunicação. Não vou repetir “o óbvio ululante”. O problema está em saber ler a conjuntura à luz dos sinais dos tempos, descobrindo causas, interesses, “efeitos colaterais”, jogos de vida ou morte para a família humana.

21 de janeiro de 2020

A obra de Pedro Casaldáliga

Nesta hora kairós de mundialização e de maturidade de consciência, que é simultaneamente uma hora nefasta de novas prepotências, de macroditaduras, de fundamentalismos e de radicalizações, se impõe para nós, como um dom e como uma conquista, o diálogo, interpessoal, intercultural, ecuménico e macroecuménico.

Um diálogo de pensamentos, de palavras e de corações.

Não a simples tolerância, que se parece demais com a guerra fria, mas a convivência cálida, a acolhida, a complementariedade.

Esses processos de mudança, que são sonho e missão, reclamam de todos nós, cristãos ou não, uma forte espiritualidade, uma mística de vida.

Cada qual a viverá segundo a respectiva fé, porém sem essa espiritualidade não se faz caminho.

Pensando nisso, e a raíz do retiro espiritual que celebramos todos os anos a equipe pastoral da Prelazia à beira do Araguaia, naquele morro acolhedor de Santa Terezinha, eu resumia assim essa espiritualidade, tão nova e tão antiga, como sendo espiritualidade de:

1. Contemplação confiada

Abrindo-se mais gratuitamente ao Deus Abbá, que é, por autodefinição suprema, misericórdia, amor.

Uma contemplação mais necessária do que nunca nestes tempos de eficiências imediatas e de visibilidades.

Confiada, digo, porque tenho a impressão de que volta – o quiçá nunca foi embora- a religião do medo, do castigo, da prosperidade ou do fracasso, segundo como a gente se haver com Deus. Falta-nos, pois, confiança filial, infância evangêlica, a descontraida liberdade dos pequenos do Reino.

2. Coerência testemunhante

Tem-se repetido até a saciedade que vivemos na civilização da imagem, que o mundo quer “ver”.

O testemunho foi sempre uma espécie de definição do ser cristão. “Vocês serão minhas testemunhas”, dizia Ele por toda recomendação, por todo testamento.

E esse testemunho, hoje mais do que nunca, quando tudo se vê e tudo se sabe, tem de ser coerente, sem fisuras, na vida pessoal e na gestão estrutural da Igreja (que poderá ser a Igreja Católica ou uma Igreja Evangélica, o Vaticano, uma diocese, uma congregação religiosa, uma comunidade).

Veracidade e transparência pede o mundo, tão submetido à mentira e à corrupção.

3. Convivência fraterno-sororal

A isso se reduz o mandamento novo. Este é o desafio maior e o mais cotidiano para as pessoas, para as comunidades, para os povos.

Conviver, não coexistir apenas; conviver carinhosamente em fraternura e sororidade; não apenas em tolerância mútua. Ajudar a tornar a vida agradável.

Ser “sal da terra” deve significar isso também.

4. Acolhida gratuita e serviçal

Capacidade de encontro e de diaconia. Não somente descer do burro e atender o caído quando por casualidade a gente o encontrar à beira do caminho, mas se fazer encontradiço.

Acolher ás vezes somente com uma palavra ou com um sorriso, porém acolher sempre, gratuitamente. Fazer de todos os ministérios e de todas as profissões aquele serviço desinteressado e generoso que nos propunha aquele Senhor que não veio a ser servido mas a servir.

É mais facil celebrar uma eucaristia ritual que exercer um lava-pés engajado.

5. Compromisso profético

Continua a ser a hora, e talvez mais do que nunca, de se comprometer proféticamente contra o deus neoliberal da morte e da exclusão e em favor do Deus do Reino da Vida e da Libertação.

É preciso sugar da fé toda a sua força política.

Fazer da profecia uma espécie de hábito conatural -fruto específico do batismo para os cristãos e cristãs-, de denúncia, de anúncio, de consolação.

A caridade socio-política é a caridade mais estrutural. Vai às causas, não somente aos efeitos. Cuida a Vida. Transforma a História. Faz Reino.

6. Esperança pascal

Depois da “morte de Deus” e da “morte da Humanidade”, nesta posmodernidade facilmente sem sentido, e já no “final da história”, parece que a esperança não tem muito a fazer. Hoje, mais do que nunca, se impõe a esperança!. Ela é a virtude dos “depois de”.

“Contra toda esperança” (produtivista, consumista, imediatista, pasiva), esperamos.

Devemos proclamar humildemente, porém sem complexos, nossa esperança pascal e escatológica. E devemos torná-la crível aquí e agora. Porque esperamos, agimos. O tempo e a história são o espaço sacramental da esperança.

Pedro Casaldáliga, Carta Cirular de 2002.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais
A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

ler mais
As nossas causas de cada dia

As nossas causas de cada dia

Estas são as 4 “causas do dia a dia” que Pedro Casaldáliga nos chamou a assumir pessoalmente em nossas vidas. Se «as nossas causas valem mais do que nossas vidas», precisamos aprofundar nelas e torná-las nossas, todos os dias.

ler mais

Read more

Pin It on Pinterest