fbpx
Logotip Fundació Pere Casaldàliga
Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os 6 princípios da mística de Casaldáliga

Os comentários –cautelosos ou apocalípticos ou clarividentes- acerca da conjuntura, proliferam, nestes dias, nos meios de comunicação. Não vou repetir “o óbvio ululante”. O problema está em saber ler a conjuntura à luz dos sinais dos tempos, descobrindo causas, interesses, “efeitos colaterais”, jogos de vida ou morte para a família humana.

21 de janeiro de 2020

A obra de Pedro Casaldáliga

Nesta hora kairós de mundialização e de maturidade de consciência, que é simultaneamente uma hora nefasta de novas prepotências, de macroditaduras, de fundamentalismos e de radicalizações, se impõe para nós, como um dom e como uma conquista, o diálogo, interpessoal, intercultural, ecuménico e macroecuménico.

Um diálogo de pensamentos, de palavras e de corações.

Não a simples tolerância, que se parece demais com a guerra fria, mas a convivência cálida, a acolhida, a complementariedade.

Esses processos de mudança, que são sonho e missão, reclamam de todos nós, cristãos ou não, uma forte espiritualidade, uma mística de vida.

Cada qual a viverá segundo a respectiva fé, porém sem essa espiritualidade não se faz caminho.

Pensando nisso, e a raíz do retiro espiritual que celebramos todos os anos a equipe pastoral da Prelazia à beira do Araguaia, naquele morro acolhedor de Santa Terezinha, eu resumia assim essa espiritualidade, tão nova e tão antiga, como sendo espiritualidade de:

1. Contemplação confiada

Abrindo-se mais gratuitamente ao Deus Abbá, que é, por autodefinição suprema, misericórdia, amor.

Uma contemplação mais necessária do que nunca nestes tempos de eficiências imediatas e de visibilidades.

Confiada, digo, porque tenho a impressão de que volta – o quiçá nunca foi embora- a religião do medo, do castigo, da prosperidade ou do fracasso, segundo como a gente se haver com Deus. Falta-nos, pois, confiança filial, infância evangêlica, a descontraida liberdade dos pequenos do Reino.

2. Coerência testemunhante

Tem-se repetido até a saciedade que vivemos na civilização da imagem, que o mundo quer “ver”.

O testemunho foi sempre uma espécie de definição do ser cristão. “Vocês serão minhas testemunhas”, dizia Ele por toda recomendação, por todo testamento.

E esse testemunho, hoje mais do que nunca, quando tudo se vê e tudo se sabe, tem de ser coerente, sem fisuras, na vida pessoal e na gestão estrutural da Igreja (que poderá ser a Igreja Católica ou uma Igreja Evangélica, o Vaticano, uma diocese, uma congregação religiosa, uma comunidade).

Veracidade e transparência pede o mundo, tão submetido à mentira e à corrupção.

3. Convivência fraterno-sororal

A isso se reduz o mandamento novo. Este é o desafio maior e o mais cotidiano para as pessoas, para as comunidades, para os povos.

Conviver, não coexistir apenas; conviver carinhosamente em fraternura e sororidade; não apenas em tolerância mútua. Ajudar a tornar a vida agradável.

Ser “sal da terra” deve significar isso também.

4. Acolhida gratuita e serviçal

Capacidade de encontro e de diaconia. Não somente descer do burro e atender o caído quando por casualidade a gente o encontrar à beira do caminho, mas se fazer encontradiço.

Acolher ás vezes somente com uma palavra ou com um sorriso, porém acolher sempre, gratuitamente. Fazer de todos os ministérios e de todas as profissões aquele serviço desinteressado e generoso que nos propunha aquele Senhor que não veio a ser servido mas a servir.

É mais facil celebrar uma eucaristia ritual que exercer um lava-pés engajado.

5. Compromisso profético

Continua a ser a hora, e talvez mais do que nunca, de se comprometer proféticamente contra o deus neoliberal da morte e da exclusão e em favor do Deus do Reino da Vida e da Libertação.

É preciso sugar da fé toda a sua força política.

Fazer da profecia uma espécie de hábito conatural -fruto específico do batismo para os cristãos e cristãs-, de denúncia, de anúncio, de consolação.

A caridade socio-política é a caridade mais estrutural. Vai às causas, não somente aos efeitos. Cuida a Vida. Transforma a História. Faz Reino.

6. Esperança pascal

Depois da “morte de Deus” e da “morte da Humanidade”, nesta posmodernidade facilmente sem sentido, e já no “final da história”, parece que a esperança não tem muito a fazer. Hoje, mais do que nunca, se impõe a esperança!. Ela é a virtude dos “depois de”.

“Contra toda esperança” (produtivista, consumista, imediatista, pasiva), esperamos.

Devemos proclamar humildemente, porém sem complexos, nossa esperança pascal e escatológica. E devemos torná-la crível aquí e agora. Porque esperamos, agimos. O tempo e a história são o espaço sacramental da esperança.

Pedro Casaldáliga, Carta Cirular de 2002.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

As nossas causas de cada dia

As nossas causas de cada dia

Estas são as 4 “causas do dia a dia” que Pedro Casaldáliga nos chamou a assumir pessoalmente em nossas vidas. Se «as nossas causas valem mais do que nossas vidas», precisamos aprofundar nelas e torná-las nossas, todos os dias.

ler mais
Pedro Casaldáliga: poeta

Pedro Casaldáliga: poeta

Conheça a poesia de Pedro Casaldáliga: “Não são apenas poemas estéticos, mas místicos, como os de João da Cruz, que nos abrem para o Mistério final. A um Você com quem ele estabelece uma relação que não é meramente individual e religiosa, mas histórica.” (Víctor Codina)

ler mais

Read more
Deixa a curia Pedro

Deixa a curia Pedro

Deixa a curia Pedro

«Enquanto a instituição-Igreja não se espelhar nesse pobre de Nazaré andará sempre às voltas com escândalos derivados do poder que ela assumiu como eixo estruturador de toda sua organização. Vale recordar a frase do católico Lord Ancton, professor de história em Cambridge ao comentar o poder absoluto dos Papas renascentistas: “Todo poder corrompe e o absoluto poder corrompe absolutamente.”»

Leonardo Boff, 2013

17 de dezembro de 2019

Pedro Casaldáliga

(Tradução do original, em espanhol)

DEIXA A CÚRIA, PEDRO!

Deixa a Cúria, Pedro,
Desmonta o sinédrio e as muralhas,
Ordene que todos os pergaminhos impecáveis sejam substituídos
pelas palavras de vida e amor.

Vamos ao jardim das plantações de banana,
revestidos e de noite, a qualquer risco,
que ali o Mestre sua o sangue dos Pobres.

A túnica/roupa é essa humilde carne desfigurada,
tantos gritos de crianças sem resposta,
e memória bordada dos mortos anônimos.

Legião de mercenários assediam a fronteira da aurora nascente
e César os abençoa a partir da sua arrogância.
Na bacia arrumada, Pilatos se lava, legalista e covarde.

O povo é apenas um “resto”,
um resto de esperança.
Não O deixe só entre os guardas e príncipes.
É hora de suar com a Sua agonia,
É hora de beber o cálice dos pobres
e erguer a Cruz, nua de certezas,
e quebrar a construção – lei e selo – do túmulo romano,
e amanhecer
a Páscoa.

Diga-lhes, diga-nos a todos
que segue em vigor inabalável,
a gruta de Belém,
as bem-aventuranças
e o julgamento do amor em alimento.

Não te conturbes mais!

Como você O ama,
ame a nós,
simplesmente,
de igual a igual, irmão.

Dá-nos, com seus sorrisos, suas novas lágrimas,
o peixe da alegria,
o pão da palavra,
as rosas das brasas…
… a clareza do horizonte livre,
o mar da Galileia,
ecumenicamente, aberto para o mundo.

A cristologia poêtica de Pedro Casaldáliga

Texto do trabalho de Michael P. Moore, para a Faculdade de Teologia, Universidade de Salvador San Miguel, Argentina.

Profeticamente crítico da hierarquia da igreja, da qual ele faz parte!, em outro poema ousado, dedicado a João Paulo II, intitulado “Deixa a Cúria, Pedro”, Casaldáliga convida ao Papa, a seus sucessores …, a toda a Igreja, a se descentralizar, a se desinstalar, para marchar até um novo Getsêmani.

Deixa a Cúria, Pedro,
Desmonta o sinédrio e as muralhas,
Ordene que todos os pergaminhos impecáveis sejam substituídos
pelas palavras de vida e amor.

Vamos ao jardim das plantações de banana,
revestidos de noite, a qualquer risco,
que ali o Mestre sua o sangue dos Pobres.

Vale notar que as palavras “Mestre” e “Pobre” – o nome de Deus feito homem e o nome dos oprimidos, ambos sem confusão, mas sem separação – são escritas em maiúscula. E quase como um apelo exorta os pastores a manterem viva a utopia de Jesus de Nazaré e seu Reino de cores precisas.

Diga-lhes, diga-nos a todos
que segue em vigor inabalável,
a gruta de Belém,
as bem-aventuranças
e o julgamento do amor em alimento.

Além disso, Casaldáliga pede à Igreja que não seja cúmplice dos imperialismos que oprimem os mais pobres, em um ambiente móvel dos palácios de Pilatos e Caifás em nosso continente empobrecido.

Legião de mercenários assediam a fronteira da aurora nascente
e César os abençoa a partir da sua arrogância.
Na bacia arrumada, Pilatos se lava, legalista e covarde.

O povo é apenas um “resto”,
um resto de esperança.
Não O deixe só entre os guardas e príncipes.
É hora de suar com a Sua agonia,
É hora de beber o cálice dos Pobres

Cumplicidade eclesial que lembra dolorosamente a vida e a morte de Dom Romero:

¡Pobre pastor glorioso,
abandonado
por teus proprios irmãos de báculo e de Mesa…!
(As curias não podiam te entender:
nenhuma sinagoga bem estruturada pode entender o Cristo)

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas causas

TALVEZ VAI ACHAR INTERESSANTE

As mortes devido a conflitos no campo no Brasil aumentaram em 75% em 2021

As mortes devido a conflitos no campo no Brasil aumentaram em 75% em 2021

A Comissão Pastoral da Terra informou neste mês de abril que os assassinatos devido a conflitos no campo no Brasil aumentaram em 75% em 2021. Em seu relatório anual, a organização denuncia a “negligência e ação deliberada contra a vida das pessoas” por parte do governo Bolsonaro.

A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

Read more
Canção da “foz” e do faz

Canção da “foz” e do faz

Canção da “foz” e do faz

(Escrita originalmente em espanhol, te oferecemos uma tradução)

Com um calo por anel,
monsenhor cortava arroz.
Monsenhor “martelo
e foice”?

Me chamarão subversivo.
E lhes direi: eu o sou.
Por meu Povo em luta, vivo.
Com meu Povo em marcha, vou.

Tenho fé de guerrilheiro
e amor de revolução.
E entre Evangelho e canção
sofro e digo o que quero.
Se escandalizo, primeiro
queimei o próprio coração
ao fogo desta Paixão,
cruz de Seu mesmo Madeiro.

Incito à subversão
contra o Poder e o Dinheiro.
Quero subverter a Lei
que perverte ao Povo em grei
e ao Governo em carniceiro.
(Meu Pastor se faz Cordeiro.
Servidor se fez meu Rei.)

Creio na Internacional
das frontes alevantadas,
da voz de igual a igual
e das mãos enlaçadas…
E chamo a Ordem de mal,
e ao Progresso de mentira.
Tenho menos paz que ira.
Tenho mais amor que paz.

… Creio na foice e no feixe
destas espigas caídas:
uma Morte e tantas vidas!
Creio nesta foice que avança
– sob este sol sem disfarce
e na comum Esperança –
tão encurvada e tenaz!

Antologia Retirante – poemas
Dom Pedro Casaldáliga
Editora Civilização Brasileira – edição 1978

Conheça mais de Pedro Casaldáliga.

 

Receba o nosso boletim mensal!
Enviaremos apenas informações do Bispo Casaldáliga, de sua obra e do trabalho nas suas causas

 

Read more
Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Texto elaborado a partir do trabalho de Marluce Scaloppe, da UFMT: Jornal Alvorada: registro e história das lutas do povo do Araguaia em tempos de ditadura.

Quando o jornal Alvorada foi lançado, em 1970, os veículos de comunicação no Brasil viviam sob forte censura imposta pelas autoridades militares.

A censura imposta à imprensa recaiu também sobre a Igreja. Sobre duas formas a Igreja progressista foi atingida: censura sobre a ação e pronunciamentos de bispos e religiosos e a censura nos veículos de comunicação das Dioceses espalhadas por todo o país.

Os setores progressistas da Igreja Católica, articulados com movimentos populares e de esquerda, declararam resistência aos governos militares, assumindo um importante papel político no Brasil.

É nesse contexto que, a recém criada Prelazia de São Félix do Araguaia, cria o primeiro meio de comunicação escrita da Amazônia, o jornal Alvorada. Hoje, 49 anos depois e con frequência bimensal, se imprimem e distribuem 2.000 exemplares.

O jornal é estimulado em um momento em que lideranças episcopais, estimuladas pelo CELAM, em Medellín, passaram a adotar práticas “libertadoras”. Dessa forma, o surgimento de rádios comunitárias, de revistas, circulares, etc se espalha pelas diversas dioceses e prelazias do País.

Quando foi lançado, o jornal Alvorada atuou como é o principal veículo de comunicação de uma área de aproximadamente 150 mil Km² no noroeste de Mato Grosso.

No “vale dos esquecidos”, como é chamada a região pelos próprios moradores, não havia telefone, televisão, rádio ou correio. Não havia nem mesmo energia elétrica.

ALVORADA na terra e na vida da gente.
Sol quente e chuva brava sobre o Araguaia.
O Araguaia traz tudo em seu banzeiro,
basta saber olhar.

O verão seco de perseguição
machucou, doeu e ensinou.
Mas quem tem coragem e Esperança está de pé.
ALVORADA vem dizer que a vida continua,
ALVORADA é um momento de palestra para nós,
que fazemos parte do Povo de Deus,
que se arranhou neste serão, entre o Araguaia e o Xingu.

Jornal Alvorada, edição de janeiro de 1974 

Até o final dos anos 1970, poucas pessoas estavam envolvidas no processo de produção do jornal, como redação das notícias e impressão. Na linha de frente sempre, a presença do bispo Dom Pedro Casaldáliga, irmã Irene, padre Falieiro (quem fazia as ilustrações do jornal) e um grupo de jovens agentes de pastoral, entre eles, Pontim e Moura.

Alvorada pra nós, pra muitas pessoas em São Felix é como se fosse a Bíblia, entendeu? A gente só tem certeza… Se sair uma notícia aqui no Mato Gosso […] na Globo […] a gente presta atenção, mas a gente só vai ter certeza mesmo, a gente só vai confiar quando sair no Alvorada. Então eu considero assim, pra mim e pra muitos, a gente lê o Alvorada como se fosse a Bíblia, entendeu? Assim, é uma coisa sagrada pra nós principalmente.

Lindaura Paiva

O Alvorada traz uma linguagem simples e se vale muito de fotos e ilustrações, principalmente do pintor Cerezo Barredo.

Todas as atividades da Prelazia têm, no Alvorada, um espaço importante para informação, divulgação e formação permanente, como a página de formação bíblica e saúde e educação, dois históricos problemas sociais da região. [Gonzaga, Agnaldo Divino]

Em uma região, ainda marcada pelas carências sociais e pelas distâncias que dificultam a comunicação, o Alvorada faz-se significativo. É também distribuído em várias regiões do Brasil e em outros países. [Gonzaga, Agnaldo Divino]

Read more
As obras de Casaldáliga na internet

As obras de Casaldáliga na internet

As obras de Casaldáliga na internet

Com mais de 50 trabalhos publicados e centenas de entrevistas concedidas, Pedro Casaldáliga é também comunicação .

Ele sempre expressou seu primeiro desejo de se dedicar ao jornalismo e, de fato, foi diretor de duas revistas em sua juventude, uma em Sabadell e outra em Madri, durante sua formação.

Pere Casaldàliga também é poeta . Ele escreveu mais de 200 poemas que constituem uma das formas mais profundas de conhecer o autor, suas convicções, suas crenças e sua visão do mundo.

Como acessar sua biblioteca

Por ocasião do seu 90º aniversário, José María Vigil e José María Concepción, amigos de Bispe Pere, lançaram um novo portal on-line com todos seus poemas e escritos, disponíveis para download gratuito.

São livros, artigos, poemas e outros escritos e intervenções de Casaldáliga, que foram subidos e estão sendo atualizados para este portal, para que a sua obra permaneça disponível para qualquer pessoa interessada no trabalho deste bispo claretiano.

Acessar é muito fácil .

Todo o conteúdo está armazenado na plataforma Academia.edu e o Bispo Casaldáliga tem seu próprio site.

Você pode ler os títulos, baixá-los, comentá-los on-line com outras pessoas, tornar-se um seguidor do portal e receber notificações, etc.

Read more
A velhice é a melhor idade?

A velhice é a melhor idade?

A velhice é a melhor idade?

Os idosos/idosas, os velhos/velhas, é que podemos responder por experiência própria.

Nós conhecemos as nossas limitações, nós sentimos os nossos achaques. A vista e o ouvido diminuem, as forças enfraquecem, o humor facilmente azeda um pouco, a vida fica como cansada. É cuidado e mais cuidado, remédio e mais remédio. Carro velho que tem que encostar de vez em quando e procurar de vez em quando a oficina.

Isso, do lado mais ou menos escuro da velhice. Tem também, tem sim, seu lado bom:  Os fogos deslumbrantes da juventude, sem o brilho irritante da idade forte.

A velhice é uma longa lição aprendida, com muitos dias de aula viva e personalizada. Essas muitas folhas de calendário, que foram caindo ao longo dos anos, juntaram-se no livro pessoal da própria vida. A minha velhice é a minha vida acumulada.

E tempo propício para meditar, para acolher a palavra de Deus, para refazer a algumas linhas tortas que a gente foi traçando vida afora.

A velhice é uma espécie de Sacramento de penitência e de conversão, de agradecimento e de esperança. Deus fica mais perto.

As vaidades e as mentiras foram-se, tocadas pelo vento do espírito, despidas à luz da experiência escarmentada.

Para quem é velho, a velhice é a melhor idade. Para cada pessoa a melhor idade é aquela que tem. Hoje será a juventude, amanhã será a idade adulta, depois de amanhã será a velhice, a doce, a sofrida, a esperançada velhice!

Agora, falando para quem ainda não é velho ou velha (e que Deus lhes conceda uma velhice feliz!), valem alguns conselhos. Permitem?

– Valorizar as pessoas idosas como pessoas com história própria, com experiência vivida, com direitos inalienáveis. O velho não é um fardo encostado; uma velha não é um resto de vida.

– As pessoas idosas querem compreensão, atenção, carinho, não querem só compaixão.

– Devem ser visitadas, devem ser informadas do que acontece ao seu redor e no mundo. Estão vivas!

– Devem ser provocadas para o diálogo e chamadas a participar.

– Mas tem que ser respeitadas no seu silêncio e no seu ritmo. Barulho e pressas não condizem com velhice.

– Deve-se favorecer a sua vida de oração, a participação na comunidade eclesial, o amadurecimento na fé.

– A velhice gosta e precisa de flores e música, de bom humor e de esperança. Fora toda a tristeza, que até a morte é Páscoa!

O cajado na mão, a mão no ombro, o neto no colo, o tempo passando, as folhas caindo, a vida amadurecendo. Deus se aproximando. Para nós, os velhos e velhas (até Deus é “o velho de dias” segundo a Bíblia), a velhice é a melhor idade porque é a nossa, o hoje de Deus no nosso hoje maduro.

Pedro Casaldáliga

Publicado no Jornal Alvorada, em março-abril de 2003

Conheça mais de Pedro Casaldáliga.

Receba o nosso boletim mensal!

Enviaremos apenas informações do Bispo Casaldáliga, de sua obra e do trabalho nas suas causas.

Read more

Pin It on Pinterest