fbpx

Pequena contribuição com o Povo Iny-Karajá

26 fevereiro 2022

O Povo Iny-Karajá vive há milhares de anos às margens do Rio Araguaia. Porém, como muitos outros povos indígenas no Brasil, enfrentam o desafio de uma vida digna em suas comunidades. O sistema de saúde na maioria das aldeias é precário e, nesta ocasião, temos conseguido um pequeno apoio para preservar os históricos médicos dos pacientes.

Habitantes seculares das margens do rio Araguaia nos estados de Goiás, Tocantins e Mato Grosso, os Karajá têm uma longa convivência com a Sociedade Nacional, o que, no entanto, não os impediu de manter costumes tradicionais do grupo como: a língua nativa, as bonecas de cerâmica, as pescarias familiares, os rituais como a Festa de Aruanã e da Casa Grande (Hetohoky), os enfeites plumários, a cestaria e artesanato em madeira e as pinturas corporais, como os característicos dois círculos na face. Ao mesmo tempo, buscam a convivência temporária nas cidades para adquirir meios de reivindicar seus direitos territoriais, o acesso à saúde, educação bilingüe, entre outros.

Localização e habitantes

Os Karajá são habitantes imemoriais da bacia do rio Araguaia, na ilha do Bananal e cercanias, compreendendo um território que abrange as fronteiras entre os estados de Tocantins, Pará, Mato Grosso e Goiás.

Maior ilha fluvial do planeta, com cerca de vinte mil quilômetros quadrados de extensão, a ilha do Bananal é formada pela bifurcação do rio Araguaia em um braço menor, o rio Javaés, que, depois, cerca de 340 km adiante, volta a se encontrar com o Araguaia, já na divisa entre os estados do Pará e Tocantins.

Os indígenas constituem uma pequena parte dos moradores. Os Xavante: caçadores, fortes, bravos ainda faz poucos anos quando semeavam o terror por estas paragens. Receosos. Bastante nobres. Os Carajá : pescadores, comunicativos, fáceis de  amizade, festeiros, artesãos do barro, das penas dos pássaros e da palha das palmas; moles e adoentados, particularmente agredidos pelos contatos prematuros e desonestos com a chamada Civilização, por meio do funcionalismo, do turismo e do comércio: com a bebida, o fumo, a prostituição e as doenças importadas. Os Tapirapé: lavradores, mansos e sensíveis; mui comunitários e de uma delicada hospitalidade.

Pedro Casaldáliga. Carta Pastoral de 1971.

Considerada um dos santuários ecológicos mais importantes do país, por encontrar-se na faixa de transição entre a floresta amazônica e o cerrado, abriga fauna e flora de grande diversidade.

A ilha do Bananal é a ilha fluvial maior do mundo

A ilha do Bananal é a ilha fluvial maior do mundo e abrange as fronteiras entre os estados de Tocantins, Pará, Mato Grosso e Goiás

As aldeias de Santa Isabel do Morro (Hãwalò) e Fontoura (Btõiry), localizadas na margem ocidental da ilha do Bananal, banhada pelo rio Araguaia, na divisa com o estado de Mato Grosso, são as de assentamentos mais antigos e as maiores comunidades karajá, atualmente com cerca de 680 e 650 habitantes respectivamente.

Outras aldeias tradicionais são as de Krehãwa (São Domingos), Itxala, Macaúba, Buridina (Aruanã), Mirindiba e Maranduba. De assentamento mais recente, e menores, temos as aldeias de Wataù, Hãwalora, Ibutuna, Nova Tytema, JK, TeribrèAwixe Wrebia.

Para conhecer mais sobre o Povo Iny-Karajá e os outros povos indígenas do Brasil, pode visitar o site Povos Indígenas do Brasil, AQUÍ.

Uma pequena contribuição

Atendendo a uma solicitação de profissionais da saúde que trabalham no posto de saúde da aldeia Santa Isabel, a Fundação tem facilitado a aquisição de 2.000 pastas plásticas onde poderão ser guardadas as fichas pessoais e o histórico médico de cada um dos pacientes da aldeia.

Posto de Saúde de Santa Isabel do Morro

Situação em que se encontra a documentação clínica da comunidade de Santa Isabel.

Obviamente se trata de uma mínima contribuição com o humilde intuito de proteger, pelo menos, as histórias médicas dos moradores. No entanto, as necessidades são logicamente muito maiores e demandam da ajuda de todos e todas e, sobretudo, do compromisso do Poder Público Federal com os Povos Indígenas.

Vejam a situação em que se encontra o Posto de Saúde do Povo Karajá de Santa Isabel:

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

.

AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

E Casaldáliga chegou no Araguaia

E Casaldáliga chegou no Araguaia

Em 30 de julho de 1968, Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram em São Félix do Araguaia, na Amazônia. O próprio Casaldáliga explicava esse momento em uma entrevista de 2007.

ler mais
A minha espiritualidade

A minha espiritualidade

A espiritualidade que Casaldáliga viveu pode nos ajudar a construir a nossa. Um texto delicado e precioso em que Pedro nos explica “onde tropecei” e partilha connosco as “alegrias e descobertas” da sua espiritualidade.

ler mais

Pin It on Pinterest