fbpx

Aquí é onde reza Casaldáliga

8 out. 2019 | A vida de Pedro Casaldáliga

O relato é de Maximino Cerezo, sacerdote católico, religioso claretiano e artista plástico espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 01-08-2017. A publicação em português é do Instituto Humanitas Unisinos.

Em algumas de minhas visitas a Pedro, surgiu a ideia de fazer uma capela no quintal, mas que necessariamente estivesse aberta às árvores, aos vizinhos, ao sol e à sombra. Tracejei a ideia, à mão livre, em um dos envelopes das revistas que Pedro Casaldàliga recebia.

Um esboço com as dimensões, detalhes construtivos e o desenho fundamental, a partir do qual Pedro Solá, que foi claretiano e um dos primeiros companheiros de Pedro no Brasil, começou a trabalhar. Como mestre de obras, devem-se a ele muitas das igrejas que foram construídas na Prelazia, em seus primeiros anos. Também a catedral de São Félix.

Uma capela aberta ao Mundo

Esta capela aberta da casa de Pedro é uma das obras pela qual me sinto feliz. Capela que se mantém até hoje. Lugar de oração, de celebração da eucaristia diária entre o barulho das folhas das árvores, o canto dos galos dos vizinhos e o indolente passeio dos gatos que rondam por ali.

Lugar de encontro semanal com os agentes de pastoral mais próximos; e também, ali, foram gravadas muitas das entrevistas concedidas por Casaldáliga a jornalistas provenientes de muitas partes do mundo.

Lugar de oração e lembrança

Com o tempo, acrescentei algumas coisas: a pintura do sacrário, a frente do altar e a placa de alumínio em relevo – sobre um pedaço que recortei de uma velha geladeira resgatada de um lixão da cidade -, que serve de fundo à caixa das relíquias dos mártires: um pedaço da casula ensanguentada do arcebispo Romero e um fragmento do crânio de Ignacio Ellacuría (na foto).

Há também recortes de fotos de dom Romero, de dom Angelelli, do padre João Bosco, de Rodolfo Lunkenbein, de Francisco Jentel e dos estudantes claretianos mártires de Barbastro.

Durante muitos anos, esteve sobre o pequeno altar a terracota de uma pomba da paz, que levei de Ica, Peru, para Casaldáliga. Obra de um camponês que havia sido torturado pelas forças de segurança do país e que foi libertado graças às denúncias e providências da Comissão de Direitos Humanos da região.

Conheça Pedro Casaldáliga

Receba o nosso boletim mensal.

Te enviaremos apenas informação sobre Pedro Casaldáliga e o trabalho que fazemos na Amazônia.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
Share This