Quem sou eu? qual é a minha história?

Quem sou eu? qual é a minha história?

Quem sou eu? qual é a minha história?

Estamos vivendo um tempo de disputas políticas, violências e egoísmos. Um tempo destruição ambiental. Muitos falsos profetas mentem para tentar nos incluir no seu grupo eleitoral ou nos seus negócios. Um tempo que exige atenção! e pensamento! Mas, com tanto discurso e tanta mentira, como saber? como saber?.

As três perguntas primeiras

Tente responder estas três perguntas

1. Quem sou eu?

2. Qual é a minha história?

3. Que valor tem essa terra?

e veja,

Quem sou eu?

1. Se eu não sou apenas eu e me preocupo pela juventude, pelos velhos, pelas mulheres pelo povo. Se eu não só apenas eu e sou também comunidade porque é com ela que vivoe é com ela que quero estar feliz. Se eu não sou apenas eu e prefiro chegar junto com outros a uma meta, em vez de sozinho, ainda que juntos caminhemos mais devagar. Se eu não sou apenas eu porque cuidar dos outros é tão importante como cuidar de mim e busco união e não divisão. Então, eu eu não sou apenas eu, eu sou nós.

2. Qual é a minha història?

Se a minha história, não é só minha, é de tantos que chegaram antes de mim e tantos que estavam aqui antes de mim: migrantes que buscavam um chão fugindo da miséria e exploração; populações que vendo sua terra invadida deram a vida para defender e preservar seu território. Se minha história é uma história de trabalho e luta compartilhada.
Então, a minha história não é apenas minha, é nossa.

3. Que valor tem esta terra?

Se o valor desta terra vai além do dinheiro, porque o cheiro da terra úmida, os pulos dos bichos e as gargalhadas das aguas limpas me tiram a solidão e me trazem alegrias gratuitas.

Se o valor desta terra não é só mercado, porque os sons de suas matas e de suas aguas e seus profundos silêncios, às vezes, valem mais do que qualquer coisa que eu possa ganhar ou trocar.

Se o valor desta terra não é só produção sem limite porque sinto o pulsar dos frutos sem veneno, o cheiro do ar limpo e transparente nas madrugadas, a satisfação ao ver as roças saudáveis, a vida da floresta em pé.

Então, não há dúvida, EU SOU NÓS e NÓS SOMOS TERRA.

Lola Campos, Operação Amazônia Nativa. 2018.

Conheça Pedro Casaldáliga

Receba o nosso boletim mensal.

Te enviaremos apenas informação sobre Pedro Casaldáliga e o trabalho que fazemos na Amazônia.

Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Alvorada: escapando da repressão no Araguaia

Texto elaborado a partir do trabalho de Marluce Scaloppe, da UFMT: Jornal Alvorada: registro e história das lutas do povo do Araguaia em tempos de ditadura.

Quando o jornal Alvorada foi lançado, em 1970, os veículos de comunicação no Brasil viviam sob forte censura imposta pelas autoridades militares.

A censura imposta à imprensa recaiu também sobre a Igreja. Sobre duas formas a Igreja progressista foi atingida: censura sobre a ação e pronunciamentos de bispos e religiosos e a censura nos veículos de comunicação das Dioceses espalhadas por todo o país.

Os setores progressistas da Igreja Católica, articulados com movimentos populares e de esquerda, declararam resistência aos governos militares, assumindo um importante papel político no Brasil.

É nesse contexto que, a recém criada Prelazia de São Félix do Araguaia, cria o primeiro meio de comunicação escrita da Amazônia, o jornal Alvorada. Hoje, 49 anos depois e con frequência bimensal, se imprimem e distribuem 2.000 exemplares.

O jornal é estimulado em um momento em que lideranças episcopais, estimuladas pelo CELAM, em Medellín, passaram a adotar práticas “libertadoras”. Dessa forma, o surgimento de rádios comunitárias, de revistas, circulares, etc se espalha pelas diversas dioceses e prelazias do País.

Quando foi lançado, o jornal Alvorada atuou como é o principal veículo de comunicação de uma área de aproximadamente 150 mil Km² no noroeste de Mato Grosso.

No “vale dos esquecidos”, como é chamada a região pelos próprios moradores, não havia telefone, televisão, rádio ou correio. Não havia nem mesmo energia elétrica.

ALVORADA na terra e na vida da gente.
Sol quente e chuva brava sobre o Araguaia.
O Araguaia traz tudo em seu banzeiro,
basta saber olhar.

O verão seco de perseguição
machucou, doeu e ensinou.
Mas quem tem coragem e Esperança está de pé.
ALVORADA vem dizer que a vida continua,
ALVORADA é um momento de palestra para nós,
que fazemos parte do Povo de Deus,
que se arranhou neste serão, entre o Araguaia e o Xingu.

Jornal Alvorada, edição de janeiro de 1974 

Até o final dos anos 1970, poucas pessoas estavam envolvidas no processo de produção do jornal, como redação das notícias e impressão. Na linha de frente sempre, a presença do bispo Dom Pedro Casaldáliga, irmã Irene, padre Falieiro (quem fazia as ilustrações do jornal) e um grupo de jovens agentes de pastoral, entre eles, Pontim e Moura.

Alvorada pra nós, pra muitas pessoas em São Felix é como se fosse a Bíblia, entendeu? A gente só tem certeza… Se sair uma notícia aqui no Mato Gosso […] na Globo […] a gente presta atenção, mas a gente só vai ter certeza mesmo, a gente só vai confiar quando sair no Alvorada. Então eu considero assim, pra mim e pra muitos, a gente lê o Alvorada como se fosse a Bíblia, entendeu? Assim, é uma coisa sagrada pra nós principalmente.

Lindaura Paiva

O Alvorada traz uma linguagem simples e se vale muito de fotos e ilustrações, principalmente do pintor Cerezo Barredo.

Todas as atividades da Prelazia têm, no Alvorada, um espaço importante para informação, divulgação e formação permanente, como a página de formação bíblica e saúde e educação, dois históricos problemas sociais da região. [Gonzaga, Agnaldo Divino]

Em uma região, ainda marcada pelas carências sociais e pelas distâncias que dificultam a comunicação, o Alvorada faz-se significativo. É também distribuído em várias regiões do Brasil e em outros países. [Gonzaga, Agnaldo Divino]

As obras de Casaldáliga na internet

As obras de Casaldáliga na internet

As obras de Casaldáliga na internet

Com mais de 50 trabalhos publicados e centenas de entrevistas concedidas, Pedro Casaldáliga é também comunicação .

Ele sempre expressou seu primeiro desejo de se dedicar ao jornalismo e, de fato, foi diretor de duas revistas em sua juventude, uma em Sabadell e outra em Madri, durante sua formação.

Pere Casaldàliga também é poeta . Ele escreveu mais de 200 poemas que constituem uma das formas mais profundas de conhecer o autor, suas convicções, suas crenças e sua visão do mundo.

Como acessar sua biblioteca

Por ocasião do seu 90º aniversário, José María Vigil e José María Concepción, amigos de Bispe Pere, lançaram um novo portal on-line com todos seus poemas e escritos, disponíveis para download gratuito.

São livros, artigos, poemas e outros escritos e intervenções de Casaldáliga, que foram subidos e estão sendo atualizados para este portal, para que a sua obra permaneça disponível para qualquer pessoa interessada no trabalho deste bispo claretiano.

Acessar é muito fácil .

Todo o conteúdo está armazenado na plataforma Academia.edu e o Bispo Casaldáliga tem seu próprio site.

Você pode ler os títulos, baixá-los, comentá-los on-line com outras pessoas, tornar-se um seguidor do portal e receber notificações, etc.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies