fbpx

Pedro Casaldáliga do Araguaia e do Llobregat

30 jul, 2019 | A vida de Pedro Casaldáliga

A terra onde só se nasce e morre

“A primeira semana de nossa estadia em São
Felix morreram quatro crianças e passaram por casa em
caixas de papelão, como sapatos, a caminho do
cemitério no rio. Nesse mesmo lugar, mais tarde, teríamos
que enterrar outras crianças e 
outros muitos adultos, muitas vezes sem sequer uma caixa e nem mesmo um nome “.

Creio na Justíça e na Esperança. Pedro Casaldáliga, 1975

Sete dias de caminhão desde São Paulo. Era o mês de julho de 1968 e os missionários Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram às terras de São Félix do Araguaia, na Amazônia, 1.200 km ao norte de Brasília. Uma área do tamanho de todo o Portugal, “de rios e campos e floresta, ao noroeste do Mato Grosso, dentro da chamada Amazônia” legal “, entre os rios Araguaia e Xingu”, era sua “missão” e acabaria sendo também a sua terra.

A região do Araguaia pertence politicamente ao estado brasileiro de Mato Grosso, uma área duas vezes o tamanho da Espanha, mas com 3 milhões de habitantes: um “deserto” verde, no coração do Brasil, onde a floresta amazônica começa e termina um dos biomas mais importantes do mundo (embora bastante desconhecido), chamado Cerrado.

“A primeira coisa que chamou minha atenção foram as distâncias. Geográficas, sociológicas e espirituais. Foi como pousar em outro mundo. Havia proprietários de até um milhão de hectares de terra. Capitalismo feroz financiado pelos militares. Era a terra de ninguém, onde nascer e morrer era fácil e onde era difícil viver. Mas também era uma terra de sonhos lucrativos para os ricos.”

Esta é a primeira imagem que temos da chegada de Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón no Araguaia. Era agosto de 1968 e o Pedro estava com 40 anos.

Se posicionar ao lado dos pobres

Em face da violência, pobreza e escravidão, era necessário decidir: ou era ao lado dos meus pobres, com todas as consequências, ou a visão era pesada e os ricos eram favorecidos. Como explica Francesc Escribano: “Lá, as posições “mornas” não são apenas inúteis, mas também impossíveis. É por isso que Casaldáliga teve que agir. Ele fez opção inequivoca e radicalmente em favor dos pobres e dos oprimidos “.

Esta posição, no entanto, não foi fácil: significava declarar a guerra, abertamente, aos latifundiários e aos militares. A ditadura não demorou para colocar a Prelazia de São Félix do Araguaia na mira da repressão.

“Era hora de escolha, uma opção rasgada que era contra o meu próprio temperamento, contra o desejo natural de estar bem com todos, contra a formação da gentileza “evangélica” recebida… um rasgão que continua a se sentir na vida”.

A radicalidade de Casaldáliga, no entanto, não deve ser confundida com “excesso”. O Pedro tem absoluta clareza de ideias, é verdade; possui um compromisso inabalável, também; mas acima de tudo, Pedro é uma inteligência privilegiada que o levou a ser capaz de se opor aos poderosos protegendo os mais fracos. Pedro Casaldáliga é, acima de tudo, sabedoria.

Um bispo sem “enfeites”

Desde o primeiro dia, Casaldáliga foi um bispo diferente. Ele decidiu não usar mitra, nem báculo, nem anel. O anel episcopal que ele carrega é o que os índios Tapirapé deram. Ele sempre disse que não quer nenhum luxo ou conforto que não possa encontrar nas casas de seus vizinhos. A casa do bispo de São Félix, sempre está aberta a todos. Não teve TV nem geladeira até cumprir os 70 anos.

L’habitació de Pere Casaldàliga no ha tingut mai porta.

O bispo Pedro é uma pessoa “normal”. Com um senso de humor brilhante. Como escreveu Paco Escribano no mesmo artigo no Diário Ara: “Se eu tivesse que enfatizar uma característica da sua personalidade, poderia dizer a coerência, a radicalidade, a espiritualidade … mas a verdade é que o que mais me surpreendeu foi o seu senso de humor.”

Casaldáliga é capaz de ver além, de sentir coisas que os outros não sentem. A sua presença nos faz sentir uma profunda onda de renovação interior. Mas, ao mesmo tempo, o bispo lava a louça do almoço, coloca as roupas sujas pra lavar ou varre o quintal com toda a naturalidade. A humildade de Casaldáliga é vivida com toda tranquilidade. O luxo, ou mesmo o conforto, não fazem parte da sua vida. Pronto. A pobreza é e tem sido o seu modo normal de viver.

Pedro muda o mundo

Achamos que não é exagerado dizer que o mundo não é o mesmo depois da vida, obra e trabalho de Pedro Casaldáliga. Ele chegou em uma região esquecida, onde “não conseguimos encontrar nenhuma infraestrutura administrativa, nenhuma organização de trabalho, nenhum controle. A lei era a lei do mais forte. O dinheiro e o 38 eram impostos” e, 50 anos depois, encontramos um povo vivo que luta; movimentos sociais que ajudam e denunciam os que mais sofrem e, sobretudo, uma sociedade mais consciente dos desafios que a Humanidade tem pela frente.

Se hoje podemos falar em meio ambiente, em desigualdades, em povos indígenas ou em direitos trabalhistas é, em grande parte, graças ao trabalho e à visão de Casaldáliga.

É verdade que no Araguaia ainda sofremos as conseqüências de lidar com os poderosos. É verdade que a pobreza e a fome ainda fazem parte do cotidiano desta região. Nós não podemos dizer que a guerra ganhou.

Mas Pedro Casaldáliga foi fundamental para que hoje, especialmente na América Latina, encontremos sindicatos, pastorais sociais, ONGs, movimentos associativos e até uma Igreja diferente. Essa é a esperança que Pedro semeou e que cresce “apesar dos pesares neoliberais e eclesiásticos”, como ele diz.

Como está hoje o bispo Pedro Casaldáliga

Dom Pedro continua morando em São Félix do Araguaia. Ele nunca voltou para a Catalunha, nem quando a mãe dele faleceu. Ele vive há alguns anos com o Parquison e, agora, aos 91 anos, “ele não se expressa profusamente com palavras e escritos, que sempre foram muito marcantes. E isso certamente é um grande sofrimento. Mas Pedro se comunica de outras maneiras, com gestos, olhares, apertões fortes em nossas mãos, e nos dá a bênção com os gestos de suas mãos. As pessoas sabem que ele está lá, é o Pedro, e que ele nos reconhece “, explicou Maria Júlia Gomes Andrade à revista Brasil de Fato.

As mais de 500 pessoas que são atendidas anualmente pela associação que ele fundou no Araguaia ainda precisam de muito apoio, mas o caminho está mais claro porque a luz dele está conosco!

O Pedro continua a ser inspiração, força e compromisso. Do Araguaia, trabalhamos com a organização que ele fundou em 1974. Apoiamos os trabalhadores sem terra, os camponeses que querem plantar, as mulheres vulneráveis e os povos indígenas que ainda enfrentam muitos desafios.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
Share This